top of page

                                                                                                                      english below

Gustavo Aragoni (1975, Osasco-SP) é artista visual e pesquisador (bolsa CAPES), mestrando em Estética e História da Arte pela Universidade de São Paulo (PGEHA-USP), sob orientação do Prof. Dr. Arthur H. Lara. Participa do Grupo Nébula de Pesquisa da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, na mesma instituição (FAU-USP). Atua sobre diversas mídias e suportes, predominantemente instalações para contexto específico, escultura, desenho e fotografia. Sem ateliê fixo, a cidade e os espaços provisórios que ocupa são utilizados como campo de investigação artística e meio de ação para realizar suas Habit-AÇÕES: ambientes-instalações temporárias, compostas de materiais exclusos, triviais, orgânicos, low-tech, tais como tecido, urina, plástico, madeira, fita crepe, papel higiênico, entre outros. A essa atmosfera, somam-se resíduos urbanos e elementos escriturais que se entrelaçam a vestígios dos processos que acontecem durante seu percurso investigativo. Egresso de uma longa carreira corporativa, na qual dedicou-se por duas décadas à área de gestão de projetos de TI, em seu trabalho Aragoni contrapõe-se a procedimentos rígidos de planejamento e de controle, invertendo frequentemente valores culturais  empresaristas, tecnicistas e racionalistas aos quais esteve inserido. Em sua atual pesquisa sobre movimento e as interrelações entre corpo, tempo e espaço transitório em que habita, fundamenta-se uma prática centrada na experiência – subjetiva e reflexiva – cujos desdobramentos são incertos e não-programados.

Possui graduação em Sistemas de Informação pela Universidade Paulista (2010) com certificação em Gerenciamento de Projetos pela Universidade de Stanford (2012). Em 2013, estuda pintura com Dudi Maia Rosa e ilustração com Fernando Vilela. Ingressa no curso de Desenho de Animação do Centro Universitário Belas-Artes, em 2014. Nos anos seguintes, frequenta o ateliê de José P. Latorre (2015 - 2017) e o grupo de estudos do Hermes Artes Visuais, coordenado pelo(a)s artistas Carla Chaim, Marcelo Amorim e Nino Cais (2018 – 2020). Paralelamente, faz cursos livres de filosofia contemporânea, com Amauri Ferreira. Em 2022, participa da oficina Antiformas de intervenção na EAV Parque Laje - RJ, coordenada pelo artista David Cury. Desde 2017 expõe seus trabalhos em espaços independentes e galerias comerciais, salões e bienais de arte, dentre elas: Chão Comum, Canteiro Espaço de Produção em Arte Contemporânea (2023), Panorama da Arte Contemporânea, Bienal de Curitiba (2022); 4ª Bienal del Sur, edição Venezuela (2021), 8ª Arte Londrina (2020), 44º Salão de Arte de Ribeirão Preto (2019), 26º Salão de Arte Contemporânea de Limeira (2018), 5º Salão de Outono da América Latina (2017). Recebe prêmio aquisição no 47º Salão de Arte Contemporânea Luiz Sacilotto e no 18º Salão Nacional de Arte de Jataí, ambos em 2019. No mesmo ano, participa da residência Wild Body, Enchantment & Coexistence no Kaaysá Art Residency e do Projeto Ocupação do Hermes Artes Visuais, onde realiza sua primeira Habit-AÇÃO. Seus trabalhos integram coleções públicas e particulares, incluindo Fundação Bienal de Cerveira-PT, MAC de JataíGO e Paço Municipal deSanto André-SP

 

Gustavo Aragoni (1975, Osasco-SP) is a visual artist and researcher (CAPES scholarship), master's student in Aesthetics and Art History at the University of São Paulo (PGEHA-USP), under the supervision of Prof. Dr. Arthur H. Lara. Participates in the Nébula Research Group at the Faculty of Architecture and Urbanism, at the same institution (FAU-USP). Works with various media and supports, predominantly site-specific installations, sculpture, drawing and photography. Without a fixed studio, the city and the temporary spaces he occupies are used as a field for artistic research and a means of action to create his HABIT-AÇÕES: temporary environments-installations, made up of excluded, trivial, organic, low-tech materials, such as fabric, urine, plastic, wood, crepe tape, toilet paper, among others. To this atmosphere are added urban waste and scriptural elements that intertwine with traces of the processes that take place during the investigative journey. Coming from a long corporate career, in which he dedicated two decades to IT project management, in his work Aragoni confronts rigid planning and controlling procedures, often inverting the entrepreneurial, technical and rationalist cultural values to which he has been influenced. His current research into movement and the interrelationships between the body, time and the transitory space he inhabits, is based on a practice centered on the experience - subjective and reflective - in which the outcomes are uncertain and unexpected.


Holds a degree in Information Systems from Universidade Paulista (2010) and a Certification Degreee in Project Management from Stanford University (2012). In 2013, studied painting with Dudi Maia Rosa and illustration with Fernando Vilela. Joins the Animation Drawing course at Centro Universitário Belas-Artes, in 2014. In the following years, attends the studio of José P. Latorre (2015-2017) and the study group of Hermes Artes Visuais, coordinated by artists Carla Chaim, Marcelo Amorim and Nino Cais (2018 – 2020). At the same time, he takes free courses in contemporary philosophy, with Amauri Ferreira. In 2022, participates in the Antiforms of intervention workshop at EAV Parque Laje - RJ, coordinated by artist David Cury. Since 2017 he has exhibited his work in independent spaces and commercial galleries, salons and art biennials, among them: Chão Comum, Canteiro Contemporary Art Production Space (2023), Panorama of Art Contemporary, Curitiba Biennial (2022); 4th Bienal del Sur, Venezuela edition (2021), 8th Arte Londrina (2020), 44th Ribeirão Preto Art Salon (2019), 26th Art Salon Contemporânea de Limeira (2018), 5th Latin American Autumn Salon (2017). Receive acquisition award at the 47th Luiz Sacilotto Contemporary Art Salon and at the 18th Salon Nacional de Arte de Jataí, both in 2019. In the same year, participated in the Wild Body, Enchantment & Coexistence at the Kaaysá Art Residency and the Projeto Ocupação do Hermes Artes Visuais studio, where developed his first Habit-AÇÃO. His work are part of public and private collections, including Fundação Bienal de Cerveira-PT, MAC de Jataí GO and Paço Municipal deSanto André-SP.

bottom of page